terça-feira, 31 de julho de 2012

Sexo em Praia na Romênia

Achei uma notícia no G1 sobre um turista que flagrou um casal transando em praia na Romênia e fez um vídeo de 30 segundos, mas não achei o vídeo em si nem no site da Globo nem em lugar nenhum da internet. Mas, durante minha busca, localizei um vídeo de safadezas acontecendo em praias do mesmo país NO YOUTUBE!


Salvem antes que seja deletado!

Feliz Dia do Orgasmo!

Hoje é dia de celebração no calendário dionisíaco! Feliz dia do orgasmo pra todos vocês, meus caros 5 leitores! Sabem como isso começou? Segue o texto da querida wikipédia.

O Dia Mundial do Orgasmo foi informalmente criado na Inglaterra no dia 31/07/1999 por redes de sex shops. Estas realizaram pesquisas que revelaram que 80% das mulheres inglesas não atingem o clímax em suas relações. Em termos de insatisfação sexual, os brasileiros não ficam longe. Um estudo conduzido pelo Projeto de Sexualidade da USP (ProSex) detectou que 50% das brasileiras têm problemas relacionados à falta de orgasmo. Cerca de 12 milhões de homens sofreriam de alguma disfunção sexual.


Tá na cara que é marketing puro dos sex shops pra venderem mais vibradores com a desculpa de proporcionarem os esperados orgasmos dos quais esses 80% das mulheres carecem - a gente já viu coisa parecida na criação do mês da masturbação -, mas não deixa de ser uma causa justa e com frutos positivos. Gozar é bom e todos deveriam ter acesso a esse prazer.

Pra você que não quer gastar dinheiro na sua busca pelo orgasmo, fica a única dica que você realmente precisa: PRATIQUE. Pratique sozinho, pratique com seu parceiro, pratique com seu amigo imaginário. E preste atenção no que seu corpo te disser. Qualquer dificuldade, mantem um e-mail para sociedadedionisiaca@gmail.com que eu irei em seu auxílio.

Deixo vocês com alguns links que têm a ver com o assunto.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Vinho Vs. Bambolês

A malabarista Annabel Carberry, do grupo The Lost in Translation Circus, apresentou recentemente o espetáculo "A Glass of Red" (uma taça de tinto) em que manobra bambolês enquanto se esforça para servir e tomar uma taça de vinho.

A tarefa é claramente complicada, mas qualquer um sabe que um profissional como Annabel resolveria o intento sem grandes dificuldades. A performance, no entanto, é hilária. Só vendo pra entender. Beber uma taça de vinho nunca foi tão difícil.


Eu contei. Foram 25 bambolês!

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Sociedade Epicuréia

Uma amiga acaba de me passar um link que me deixou abismado. Parece que a Sociedade Dionisíaca já existiu, no século XIX. Além da filosofia por trás da parada, até a porra do nome é parecido: Sociedade Epicuréia. Entre seus ilustres fundadores estava ninguém menos que Álvares de Azevedo!

Confiram o texto abaixo retirado do site Alameda Virtual. Qualquer semelhança talvez não seja mera coincidência.

A Sociedade Epicuréia foi criada durante a 2ª fase do Romantismo no Brasil (1850-1860), considerada um grupo para reuniões entre os poetas da época. Sendo um verdadeiro ponto de encontro para os jovens estudantes, a sociedade não prezava apenas a velha e boa arte literária, mas também cultivava outros hábitos entre seus membros.

O termo Epicuréia provém do nome Epícuro, um grande filosofo grego que tinha como principal teoria a defesa dos prazeres terrenos e do materialismo. Assim, a sociedade era considerada um grupo para a prática de orgias, culto ao macabro e representava o point das noites boemias do mal do século. Em geral, os poetas se reuniam para beber conhaque, fumar charutos e, quem sabe, falar sobre literatura.

A fundação da Sociedade Epicuréia aconteceu em meados do século XIX na cidade de São Paulo. Jovens de todos os cantos do Brasil chegavam à capital para estudar da Faculdade de Direito São Francisco. Ao longo do curso, os estudantes permaneciam instalados em repúblicas e possuíam uma vida noturna bem agitada.

Os boêmios universitários tinham hábitos bem fora do comum, como os passeios noturnos pelos cemitérios. Cerimônias macabras regadas a muita bebida alcoólica e tabaco também embalavam a vida dos jovens. A Sociedade Epicuréia contava com a presença de prostitutas, que participavam de ritos nas necrópoles paulistas.

Os fundadores da sociedade foram Bernardo Guimarães e Álvares de Azevedo, dois grandes nomes do Romantismo no Brasil. Foi durante a manifestação do mal do século que o sentimento de pessimismo predominou sobre a produção lírica, em especial quando se diz respeito aos textos de Álvares de Azevedo.

Os encontros da Epicuréia eram marcados pelo culto à noite, onde os aspectos mórbidos da existência eram abordados nas poesias. Dessa forma, os jovens estudantes de Direito se submetiam a evasão da realidade, optando pelo sonho, loucura ou até mesmo a morte. Para o membro da Sociedade, o óbito não representava uma fatalidade, mas sim uma chance de acabar com o tédio da vida, com as limitações terrenas.


Os membros da sociedade costumavam ler romances de Lord Byron, um hábito que influenciou na criação literária estudantil da época. O egocentrismo era um aspecto presente em todas as poesias escritas durante o mal do século, aliado aos sentimentos de saudade, tédio e tristeza. Para romper com os dilúvios, era necessário viver os prazeres da vida boemia.

Álvares de Azevedo foi fruto da Epicuréia, afinal, ele desenvolveu o seu estilo entrando em contato com a filosofia da sociedade. O poeta tinha uma personalidade introspectiva, mas uma inteligência incomparável. Muitos universitários seguiram a linha de Álvares de Azevedo, aproveitando as noites sem se preocupar com a saúde ou com a realidade da burguesia da época. Assim, muitos membros da Epicuréia acabaram morrendo jovens, vítimas de tuberculose. Até Álvares de Azevedo tinha o curioso costume de anotar os nomes dos colegas que faleciam nas paredes da Faculdade de Direito.

Casimiro de Abreu, Fagundes Varela e até Castro Alves foram alguns dos grandes nomes da Literatura Brasileira que participaram da Sociedade Epicuréia.

Quem quiser ler mais sobre Epícuro e sobre a Sociedade pode dar uma conferida neste outro link.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Pintor de nove anos já é quase milionário

O pequeno Kieron Williamson, de apenas 9 anos de idade, teve 24 de suas pinturas vendidas na semana passada por um total de 250.000 libras (cerca de R$ 790.000).

O garoto é feio, mas os quadros são bonitos.

Nesta semana, uma exposição na cidade de Holt, na Inglaterra, mostra ao público uma retrospectiva de seu trabalho. São mais de 100 obras, incluindo os primeiros quadros de Kieron, feitos quando ele tinha apenas 5 anos.

Na abertura da exposição, no dia 20, também foi lançado o livro Kieron Williamson: Coming to Light, em que os pais do menino contam a trajetória do menino.