domingo, 9 de outubro de 2011

5 Perguntas sobre as quais todo cristão deveria pensar


1- Como alguém pode desfrutar o paraíso eterno sabendo que seus entes queridos estão sendo torturados no inferno?
2- Porque um deus supostamente onisciente precisa testar seus fiéis se ele já sabe o resultado?
3- Como deus pôde castigar Adão e Eva por algo que eles fizeram antes de terem o conhecimento do bem e do mal?
4- O que acontece com as pessoas que nunca tiveram conhecimento sobre deus, tipo os índios?
5- Como se justifica um castigo infinito para punir um crime finito?

10 comentários:

  1. Religião é uma grande heresia.

    1 - Já ouviu falar de intervenções por meio de orações? O bom cristão ora pelos justos e injustos.
    Uma analogia: se você aconselha alguém, ensina o certo e errado e mesmo assim essa pessoa comete um crime e vai pra cadeia; ruim pra ela, e, certamente, você não vai ficar feliz por essa pessoa estar na cadeia, mas sabe que ela merece isso. É exatamente essa a situação. Ninguém, nem mesmo Deus, fica feliz por almas que vão parar no inferno, mas é escolha da pessoa, já que ela conhece as atitudes que a fizeram parar nesse lugar.

    2 - Deus precisa testar até mesmo os crentes para prepará-los para que aceitem a sua palavra e para que sejam capazes de levá-la a outras pessoas. Obedecer a Deus é difícil e as tentações mundanas vão contra leis divinas, mas é preciso que as pessoas aprendam a como rejeitá-las. E como se faz isso? Muitas vezes por meio de provas e dificuldades (não é à toa que muitos convertidos percorrem esse caminho).
    Essa onisciência de Deus quer dizer que ele sabe a disposição de cada um para se submeter a ele, no entanto, ele faz de tudo para que as pessoas escolham o caminho do bem. Todo mundo tem um propósito com Deus (que não é a mesma coisa que destino), basta saber se a pessoa vai aceitar ou não. Deus fará de tudo para que todos acatem esse desejo, mas, no final, quem decide é cada um.

    3 - Quebraram a regra da obediência que tinha sido estabelecida. Não se obedece a Deus porque vai ser castigado ou não. Isso não é fé em Deus(infelizmente muitos, até mesmo crentes, não entendem isso). O temer a Deus não é literalmente "ter medo", mas sim se submeter a todas as vontades dele aceitando que ele é a verdade e a justiça.

    4 - Na Bíblia diz claramente quando se dará o julgamento final, e isso não será sem que o nome Deus tenha sido levado a todos os cantos e pessoas. Por isso existem os missionários, que têm a missão de levar a palavra da Deus e converter pessoas pelo mundo.

    5 - Contrariedades às leis de Deus não são crimes (a maioria, aliás), menos ainda de caráter finito. O mal advém de uma contrariedade a Deus e todas as atitudes que se aliam e corroboram com esse recebem o mesmo tratamento.


    Resumindo: Deus não erra, logo nunca é injusto; devemos obedecer sempre às suas leis e agir conforme sua vontade.

    ResponderExcluir
  2. Acho q em várias questões vc fugiu da pergunta ou não compreendeu corretamente. Só a segunda resposta que me satisfez apesar de obviamente eu não concordar.

    Vou tentar reescrever.

    1- Como você poderia ficar desfrutar o paraíso eterno sabendo que seus entes queridos estão no inferno? Vc pode orar e não adiantar nada, a pessoa continuar uma pecadora. Independente da pessoa merecer ou não, como você conseguiria ser feliz sabendo q sua mãe tá sendo torturada por toda a eternidade, por exemplo?

    3- Sim, quebraram. Mas é justo punir por algo feito antes deles terem o conhecimento de que isso é mal, de que é errado?

    4- A pergunta é sobre o que acontece com quem não conheceu a palavra do seu deus, não sobre o que vai acontecer depois que ela chegar a todo mundo.

    5- Crime foi só uma escolha de palavras, uma analogia. Mas os pecados são sim de caráter finito. Mesmo que a pessoa resolva passar a vida inteira pecando, é justo que a punição dure por toda a eternidade?

    E seu resumo é simplesmente a fuga mais conveniente possível. Julgar as questões relacionadas a deus já tendo presumido que ele não erra e nunca é injusto é evitar refletir de verdade sobre elas. É algo como "o tabuleiro é dele, então ele sempre vai dar xeque mate e se ele fizer algo que não faz sentido é apenas uma regra a qual só ele tem direito e não tinha falado".

    ResponderExcluir
  3. No Paraíso não existe infelicidade. Não cabe sentimentos que a isso se relacione. Ficar infeliz pelos que se foram? Não seria uma forma de não-aceitação? Isso não vai contra as leis de Deus?
    Ninguém é punido sem motivos, Will. Se Deus te proíbe de algo e assim mesmo você o faz, errou e vai pagar por isso. Ninguém é punido sem saber. "Ah, Adão e Eva não sabiam o que era o bem e o mal". Sim, mas eles sabiam das regras. Deus não pune sem razão. E como todos têm propósitos, Ele sempre tentará mostrar o caminho certo a todas as pessoas. Basta que se prestem a enxergar.
    Olha a pergunta 4 que você faz... Minha resposta foi clara quanto a isso. Índios, até o final dos tempos, terão ouvido falar de Deus. Sabe pra que existem igrejas, pregadores, missionários... sabe porque foram criados os mandamentos... e os apóstolos? A função de tudo isso é fazer com que se conheça Deus. E se nem tudo isso chegar até a pessoa, Deus vai tentar resgatá-la. Mas aí tem o livre arbítrio, né? Ah, e o Deus cristão é apontado como misericordioso também.
    Não, não é tangenciar perguntas nem tentá-las não responder (e não entender foi foda, né?). A questão é que você não aceita a resposta "Deus é um ser que não erra, é justo e soberano". E tenta questionar essa máxima que rege qualquer outra pergunta em que você possa pensar dentro do cristianismo. Questionar isso é se pôr acima de Deus, é pecar contra a sua superioridade, é cair no Pecado Original. Por isso você acha que é falta de reflexão ou um não-querer-pensar. Na verdade, é aceitar e ter fé nesse Deus, acreditando que nele está a única verdade.
    Se isso pra você é pensar pequeno, não refletir, não entender questionamentos, beleza. Direito seu.

    E claro, essas perguntas todas se enquadram no resumo que eu tinha colocado ao final. Não aceitar Deus vai implicar em questionamentos quanto a sua justiça. Isso é uma forma de contrariá-lo. Então estamos saindo da visão cristã e entrando no "eu acho que a Bíblia e todo seu discurso está errado" (o que também é uma forma de pensar). O que não dá é tentar enquadrar uma fé dentro dessa lógica (coisa que até cristão tenta fazer e não dá certo).

    ResponderExcluir
  4. Deus adora se masturbar vendo a gente se foder aqui.

    ResponderExcluir
  5. "Resumindo: Deus não erra, logo nunca é injusto; devemos obedecer sempre às suas leis e agir conforme sua vontade."


    Hugo nao erra, portanto, tudo que ele diz está certo!

    Como a gente sabe???

    SIMPLES, ÓBVIO: Hugo NUNCA erra!!!


    Salsicha só dentro do pao, hein!!!

    ResponderExcluir
  6. Will, vc tem muita paciencia. Vai pro ceu, certeza.

    ResponderExcluir
  7. Olá sou estudante da biblia a mais de 10 anos e sei a resposta a todas as perguntas ai citadas resolvi responder uma espero q vc tenha a mente aberta :
    1) Na biblia ñ se diz ou faz alusão q o inferno seja um lugar real, ele só é citado como lugar de tormento em Apocalipse.
    Como um lugar de fogo para castigar seres espirituais, q fogo seria esse para queimar seres invisiveis ñ faz sentido. A crença do inferno de fogo ñ existia na época de Jesus, ela foi iniciada junto com outras mentiras na época de CONSTANTINO papa da igreja Catolica,lele traduziu a biblia de uma forma errado os manuscritos originais estão muitos no Vaticano e em outros museus mas temos copias deles e vimos q Os tradutores permitiram que suas crenças pessoais afetassem seu trabalho, em vez de serem coerentes em verter as palavras da língua original. Por exemplo: (1) A versão de Matos Soares, 36.a ed., traduziu she’óhl por “inferno”, “terra”, “morte”, “habitação dos mortos”, “sepulcro”, “sepultura” e transliterou uma vez por “cheol”; haí·des é também traduzido ali tanto por “inferno” como por “habitação dos mortos”; gé·en·na também é traduzida por “inferno”. (2) A versão A Bíblia na Linguagem de Hoje traduz haí·des por “inferno”, “morte”, “lugar onde estão os mortos” e “mundo dos mortos”. Mas, além de traduzir haí·des por “inferno”, usa esta mesma tradução para gé·en·na. (3) A tradução do Centro Bíblico Católico traduz haí·des por “inferno”, “região dos mortos” e “morada subterrânea”. Traduz também gé·en·na por “inferno”, além de transliterar gé·en·na por geena. O significado exato das palavras na língua original fica assim obscurecido.Por descuido de muitos e pela igreja querer obter o dominio total foram impostas coisas q ñ existem . Outro exemplo em Jó 14:13, Dy: “[Jó orou:] Quem me dera isto: que me protegesses no inferno,* e me escondesses até que passasse a tua ira, e me fixasses um tempo em que te lembrarias de mim?” (O próprio Deus disse que Jó era “homem inculpe e reto, temendo a Deus e desviando-se do mal.” — Jó 1:8.) (*“Sepultura”, Al; “região dos mortos”, CBC, “Xeol”, BJ; “Cheol”, BMD; “Seol”, IBB, NM.) esse texto mostra q o inferno ñ é lugar de tormento eterno para pessoas más Jó foi um homem bom e queria estar lá escondido .COCLUSÃO:A CRENÇA NO INFERNO DE FOGO É PURA LENDA HISTÓRIAS PARA ALGUNS TEMEREM A IGREJA COISA DO LIVRO "A DIVINA COMÉDIA" .NÂO EXISTE O TAL INFERNO PRA QUEIMAR AS PESSOAS,ESSA CRENÇA NÃO É BIBLICA .se estiver respondido a pergunta eu gostaria de responder as outras.

    ResponderExcluir
  8. Foi mal a demora pra responder aqui. Festival do Rio tá roubando minha alma. Primeiro vou comendar sobre a Kika. Ainda nem li o comentário do Investidor financeiro pra ñ me influenciar.

    Começando pelo (quase) final, a questão ñ é q eu ñ aceito essa premissa. Eu realmente ñ aceito, mas a questao tá longe d ser essa. A questão é q vc jogou vários conceitos relacionados, mas ñ respondeu às minhas perguntas. Ñ sei se foi por ñ ter entendido, por querer fugir delas ou por qualquer outro motivo, mas ñ respondeu.

    Se eu pergunto como vc pode ficar feliz sabendo q seus parentes sofrem, e vc responde q é justo eles sofrerem, vc ñ tá respondendo a minha pergunta. Se eu pergunto se é justo Adão e Eva serem punidos antes d terem a capacidade de saber q é errado desobedecer a deus, e vc responde q "não se obedece pq vai ser castigado ou não", vc ñ tá respondendo a minha pergunta. Se eu pergunto como funciona pra quem não conhece a palavra de deus e vc responde q existem os missionários pra levar a palavra d deus, vc ñ tá respondendo a minha pergunta. Se eu pergunto sobre a justeza da punição e vc me responde com a "origem do mal", vc ñ tá respondendo a minha pergunta. Me parecem uma série de conceitos decorados e repetidos à exaustão, mas que não encontram significado quando confrontados com uma pergunta objetiva. Aí vocês repetem td q se lembram sobre o tema, mas esquecem da pergunta.

    Ficar infeliz ñ quer dizer q a pessoa ñ ache justo, só quer dizer q ela ñ gosta da situação. Eu acho a ressaca a coisa mais justa do mundo, dado o quanto eu bebo e sei das conseqüências óbvias disso, o q ñ quer dizer q eu goste dela. Então ficar infeliz pelo sofrimento de uma pessoa querida ñ me parece ir contra as leis de deus. Pelo contrário, é um sinal d q você ama o próximo como a si mesmo, independente do quanto seja justa a punição q ele receba.

    Sim, Adão e Eva sabiam das regras e sabiam até da punição (q deus ñ cumpriu, diga-se d passagem), mas eles não sabiam que era errado. Se comer o fruto faria eles conhecerem o bem e o mal, antes d prová-lo eles não conheciam e, portanto, não tinham como saber q descumprir as regras era mal. Veja bem, ñ é só q eles ñ sabiam, mas é q eles NÃO TINHAM COMO SABER. É como sentenciar à morte uma pessoa cuja insanidade foi comprovada. Você pode querer baixar a cabeça pra essa decisão do seu deus pq vc acha q ele tem direito d agir como quiser, mas minha pergunta foi se isso é justo. Ñ acho q vc é a favor do exemplo da pena d morte q eu citei, mas quando é deus fazendo, aí ele é perfeitamente justo e sábio, ne?

    Sua resposta foi clara?! Índios vão ouvir falar d deus? Talvez minha pergunta é q ñ tenha sido clara, pq vc parece ñ ter entendido... A ñ ser q índios sejam imortais, eles não têm até o final dos tempos pra esperar e conhecer a palavra d deus. Muitos índios já morreram. O q aconteceu com esses? Seu deus tentou resgatá-los? Como? Sim, tem o livre arbítrio, e foi exatamente isso q a mulher do vídeo falou. Se, quando a pessoa ñ tem a oportunidade d conhecer deus, o q conta é o livre arbítrio, ou seja, se ela foi ou não uma boa pessoa baseada em suas atitudes e pensamentos, apresentar deus a essas pessoas e fazer com que a aceitação disso seja uma condição imprescindível pra entrada no céu não é criar uma dificuldade a mais e fazer com que menos gente seja salva? Se gente q ñ conhece deus, mas é bom vai pro céu, e gente q conhece deus, ñ acredita nele, mas ainda assim é bom vai pro inferno, não seria melhor não apresentar deus a ninguém e deixar q as pessoas fossem julgadas pelas suas próprias ações e não na crença cega num ser improvável?

    ResponderExcluir
  9. Sim, Kika. O q eu faço é realmente cair no Pecado Original (achei divertido escrever em maiúsculo), pq é isso q eu acho certo, é isso q nos faz humanos. Se recusar a refletir sobre as coisas e seguir comandos sem sequer questioná-los é coisa d robôs ou d gado. Eu ñ sou nem quero ser nenhum dos dois. Kika, aceitar, ter fé, é necessariamente um não-querer-pensar ou ao menos um "não pensar, mesmo querendo". Vc pode ser feliz assim, mas ñ dá pra dizer q "aceitar q ele não erra, é justo e soberano" é fruto de raciocínio crítico.

    Como disse o cara do Atheist Expirience uma vez, se um deus manda destruir cidades ou matar meu próprio filho, eu me recuso a baixar a cabeça pra esse cara. Esse deus não merece meu respeito. A moral dele não é melhor q a minha moral. E se você respondeu lá em cima q tb ñ acha justo punir severamente um desequilibrado mental por um crime fruto desse desequilíbrio, você pensa exatamente como eu, só não consegue admitir.

    Questionar sua justiça não é uma forma de contrariá-lo. É uma forma de entendê-lo. Se ele fosse justo mesmo, eu iria adorar aceitar suas ordens, mas nunca sem pensar nelas antes. E se uma decisão divina me parece extremamente injusta ou imoral, eu não vou hesitar em me posicionar contra ela. Eu não acho q a Bíblia e todo o seu discurso está errado. Ou talvez eu ache, mas ñ é isso q eu tô dizendo aqui. Eu tô dizendo q existem questões muito duvidosas quanto ao que é dito na bíblia ou pela ICAR d um modo geral, e eu acho q se deveria pensar sobre elas. Se vc acha q deve-se apenas confiar no julgamento divino, eu sinto por vc.

    E se vc acha q é um erro quando cristãos tentam refletir sobre essa lógica, favor encaminhar sua reclamação pra Santo Agostinho (ou São Tomás de Aquino, nunca lembro), q dizia q é preciso refletir sobre a moral divina pra poder obedecê-la em sua plenitude. Quando vocês se encontrarem no céu, é claro...

    Obs: "No Paraíso não existe infelicidade (apesar do quão dolorosa a realidade possa ser)"? Cool. O paraíso é tipo um LSD eterno! Agora começou a parecer legal.

    ResponderExcluir
  10. Investidor financeiro: Eu não entendi tudo q vc disse não, mas eu concordo c/ o q eu entendi. O conceito d inferno como lugar d tortura é (ou tem grande chance d ser) invenção da ICAR como instrumento de dominação pelo medo. E concordo que muito da intenção original se perdeu nas traduções.

    Pode tentar responder as outras sim. E pode até tentar ser mais objetivo. Se precisar d exemplos, eu prometo pedir. =)

    Só ficou uma dúvida: Se o inferno não é o lugar de tormento eterno para pessoas más, pra onde vão as pessoas más? E as boas? Quais as conseqüências de ser bom ou mau nessa perspectiva q acredita em deus e na moral dele, mas não acredita no inferno como local d punição?

    ResponderExcluir