segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Nudismo

Fui ontem a uma praia de nudismo com um casal de amigos. Quem me conhece sabe o quanto eu aprecio qualquer oportunidade de ficar nu em público, mesmo sem fins sexuais. Precisava comentar aqui e agradecer publicamente pelo convite.

Foi a primeira vez que eu fui a Abricó pra valer. Da primeira vez que eu fui, era dia 25 de dezembro. Apesar de ser um domingo, era feriado, então a Associação Naturista de Abricó não estava lá. São eles que ajudam a fazer valer as regras a fim de garantir a segurança e a boa convivência dos frequentadores. Como eles não estavam presentes, praticamente só tinha gay na praia. Nada contra, mas a questão é que poucas mulheres se sentiram à vontade pra entrar e apenas uma estava nua - claro que tinha que ser uma amiga minha e membro da SD, a Mica. Como não tinha ninguém controlando, o lugar se tornava meio que uma área de flerte homossexual. Nada descarado e muito respeitoso, mas ainda assim isso fazia com que homens heterossexuais também não se sentissem tão bem lá. Parece que havia uma região mais afastada onde as coisas eram concluídas, se é que vocês me entendem... Por fim, logo na entrada, tinha um cara nojento tentando se masturbar entre as pedras olhando as pessoas que passavam. Digo "tentando" porque, apesar de não ter reparado muito, deu pra ver que ele não conseguia ficar de pau duro.

Na segunda vez que tentei ir, tinha combinado com a Geninha e ia um conhecido dela junto. Acontece que a esperta encheu a cara no dia anterior e só foi sair de casa umas 16h. Até chegarmos na praia, já estava escuro. Não tinha mais ninguém, só um carinha meio nômade que nos contou que tava morando ali há uns 15 dias. Conversamos um pouco com ele e ficamos pelados, mas tava frio demais pra entrar na água e escuro demais pra ver ou ser visto.

Nesta terceira vez foi beeeeeeeem diferente. Plaquinhas na entrada da praia explicando que era uma área de naturismo, um segurança logo depois das pedras avisando pra todo mundo do que se tratava (e acreditem, tinha muita gente que conseguia passar ao lado das placas e não lê-las), barraquinha de comida, homens, mulheres, heterossexuais, gays... Tinha de tudo. Liberaram ficar com camisa porque tava um vendo gelado muito chato, mas tinha que tirar a parte de baixo da roupa pra ficar lá.

Ficamos pouco porque a menina do nosso grupo estava menstruada e ia ficar meio chato tirar a parte de baixo do biquini. Como tava frio pra tirar a parte de cima, eu e o outro garoto jogamos uma partida de frescobol naturista e fomos embora. Mas valeu o passeio.

Mas o que eu queria ressaltar aqui foi a simpatia das poucas pessoas com quem falamos lá: o segurança da entrada e um cara que eu acho que era da associação. Ambos foram bem atenciosos e fizeram questão de fazer de tudo pra que nós (principalmente a garota) no sentíssemos à vontade lá. Me lembrou a primeira vez que encontrei o povo da 18A. Acho que esses grupos mais liberais acabam se esforçando mais pra compensar o preconceito que já existe em relação a eles. E dá certo. Sempre me sinto muito bem.

A imagem que mais me chamou atenção lá foi uma mulher que chegou com o filho logo depois da gente. Chegou já tirando o biquini, deixou numa pedra e foi nadar com o filho (que permaneceu de sunga). Isso mostra ao mesmo tempo que é tranquilo uma mulher ir sozinha, que é um ambiente familiar, que crianças não precisam ser "protegidas" da nudez, e que o lugar é seguro o suficiente pra deixar seus pertences por lá sem ninguém vigiando. Ao menos quando a associação está lá...

Pra encerrar o post, um vídeo com gente pelada na praia e até um casal brincando no final.

Um comentário: