quinta-feira, 11 de agosto de 2011

O Livro de Cabeceira

Antes de tudo, eu queria pedir desculpas pelo atraso do post. Fiquei sem computador e sem criatividade. Comecei vários, mas não me decidia por nenhum. O Will até me demitiu pela demora. Foi então que me lembrei que queria falar desse filme por aqui há algum tempo.





O Livro de Cabeceira (The Pillow Book) não é um filme pornô e sim um drama/romance, baseado em um livro homônimo. Mas nele abordam-se temas como incesto, bissexualidade, promiscuidade, fetiches, busca pelo prazer e rompimento com as tradições, tudo de uma forma sutil e poética.


O filme de 1996 enxerga a arte da caligrafia como símbolo da relação entre corpo e pensamento e o contato do pincel com o papel tão sensual quanto o toque entre dois corpos.





Nagiko é filha de um calígrafo e escritor que tinha o hábito de escrever no rosto e nuca da filha uma benção a cada aniversário. Quando adulta, ela passa a obter prazer escrevendo sobre os corpos dos seus amantes. E é aí que o filme fica dionisíaco.


Aliás, é justamente por isso que eu me lembro do filme até hoje. Já havia comentando no nosso chat que não me lembrava nem o nome do filme, mas lembrava dos rituais de caligrafia no corpo humano. Desde quando assisti O Livro de Cabeceira, e já faz um bom tempo, esta fantasia me persegue. Pra falar a verdade, eu curto tatuagens e quando tinha uns oito ou nove anos, ficava escrevendo o nome do menino por quem eu era apaixonada no meu corpo, mas isso não vem ao caso.


Eu poderia falar da qualidade do enredo e da fotografia, que são ótimos, mas não tem jeito. Para mim, o mais marcante é o fetiche mesmo. Então, deixo vocês com algumas imagens que encontrei.














5 comentários:

  1. Que bonito, a letra dela é linda. :P

    ResponderExcluir
  2. Tô emocionada. Meu primeiro post com confissões. E com mais mulher pelada do que homem tbm , infelizmente. Huahuahauhauahua...

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho o dvd. Empresto pra qm quiser. =P

    ResponderExcluir
  4. Nunca havia ouvido falar nesse filme, mas agora fiquei com vontade de assistir.
    Vou procurar por ele.

    ResponderExcluir