quinta-feira, 7 de abril de 2011

Jair Bolsonaro: A democracia e o ensinamento reacionário da direita

Depois de um resfriado que me fez ficar mais de 1 semana longe do computador (para vocês terem uma idéia da gravidade) e depois de um teclado que tinha a grande função de quando se apertava a barra de espaço o PC desligava, estou de volta para encher o saco de vocês.

Bem, semana passada o assunto mais falado foi a polêmica entrevista do deputado federal aqui do Rio de janeiro, Jair Bolsonaro. Nessa entrevista, ele deu opiniões comuns de um deputado de direita, ou seja, defendeu a “família” (reestart?), a moral e os bons costumes.

Até ai tudo bem, a democracia dá essa vantagem de você discutir pontos de vistas. Mas para certo lado da bancada dos deputados, o buraco é mais embaixo. Tão embaixo que no meio dele você consegue ver uma suástica e alguns gorros brancos pontudos estampados.

Em fóruns que discutem o assunto a revolta não é unânime. Pasme! A defesa do senhor da moral é maior do que pensam. Se bem que isso não me impressiona nem um pouco.

Jair Bolsonaro é declaradamente um amante da ditadura militar de direita que comandou o Brasil entre os anos 60 e 80 do século passado. Ele também é um dos deputados mais votados do estado, além de eleger qualquer um ligado ao seu nome e suas idéias.

Ele é do PP, Partido Progressista.

Como diria o B Negão: "Ordem para o povo, Progresso pra burguesia". Esse deveria ser o lema do partido, mas como foi escrito por um negro logo o abominariam, claro.

Mas se quem defende esse tipo de regime é elitista, porque num pais de maioria classe média/baixa elege este cidadão?

Essa pergunta é facilmente respondida quando lembramos que o principal trunfo da direita é a alienação e a falta de ensino dos que futuramente irão virar sua mão-de-obra barata e fantoche intelectual. Ou seja, a ignorância é que faz os ricos serem mais ricos e dominarem cada vez mais o pensamento que deve ser disseminado.

Mas como isso não é um blog de política, só fiz essa pequena dissertação para as pessoas entenderem do porque de pessoas como Bolsonaro não aprovarem Cotas Raciais, Bolsa Familia, ou qualquer tipo de beneficio que faça a plebe ficar mais longe da enxada e mais perto de um livro.

Não sou pró-PT, bem longe disso. Defendo que projetos sociais como esses que citei acima deveriam ser algo apenas a médio prazo, para que essa geração não fosse perdida e as novas já viessem em igualdade de disputa. Acontece que isso não interessa a quem governa. Assim dá argumento para m... como ele meterem o pau nessas iniciativas.

A questão é: Liberdade de expressão na democracia é necessária?

Claro que sim, mas liberdade de expressão não é anárquica. A partir do momento que seu pensamento seja destrutivo a outra pessoa esse pensamento deve ser abolido. Não discutido, não analisado, simplesmente recriminado. Essa é a mesma tecla que bato em relação às religiões.

Como citou muito bem, numa tirinha do Dilbert, o Álan da Igreja Ateista .

“Quando foi que IGNORÂNCIA se tornou um ponto de vista?”
Claro que não fui a fundo sobre esse cidadão(?) e não citei seu ódio contra índios, homossexuais, drogados, e outras "raças" como esse povo assim define. Até porque seria um post de 15 metros.

Resumindo, pensamentos discriminatórios não podem ser disseminados. Isso está acima de questões morais como aborto e legalização das drogas, por exemplo.

Bolssonaro pense rápido:
Sua filha foi estuprada por um negro e engravidou. E agora José?

Um comentário:

  1. Aê, o Tom voltou!!!
    E disse td: "pensamentos discriminatórios não podem ser disseminados."
    Me revolto com o povo q vota nesses caras sem noção!
    Bjos!

    ResponderExcluir