quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Parafilia: Muito Além da Perversão - Parte III

http://3.bp.blogspot.com/_boQCIFVXRmg/TP2mN8xcixI/AAAAAAAAAds/Js0iJVkTLuM/s1600/fora%2Bda%2Blei.png

Depois de mostrar as práticas exóticas e as práticas comuns da parafilia, agora é a terceira parte da série, que trata da parte sombria da busca pelo prazer sexual. Nesta parte, a obsessão sexual é doentia. Praticá-las muito provavelmente irá te levar à cadeia. A diferença dessas parafilias para as outras  é o simples fato de só um lado sentir prazer.

Conheça um pouco sobre essas práticas:
Dacrilagnia é uma forma de atração sexual em que o desejo da pessoa é despertado pelas lágrimas ou choro de outra.

Dacrifilia, como também é chamada, está principalmente associada aos homens e abrange todas as formas de prazer com as lágrimas dos outros.

Normalmente é considerado uma forma de sadismo se essas lágrimas forem causadas por tortura física ou psicológica. A excitação é conseguida quando uma pessoa é vista em sofrimento emocional ou é induzida a chorar ou mostrar uma forte emoção.

Isso difere da prática habitual de choro durante a relação sexual, uma vez que essa parafilia envolve o desejo pelo sofrimento real alheio ou coração partido ao invés de choro falso.

Muitos estupradores certamente procuram por esse tipo de prazer.


Asfixiofilia é a restrição intencional de oxigênio para o cérebro para a excitação sexual.

Históricamente, a prática de asfixia auto-erótica tem sido documentada desde o século 17. Foi usada pela primeira vez como um tratamento para a disfunção eréctil. A idéia para isso provavelmente veio de indivíduos que foram executados por enforcamento.

Observadores em enforcamentos públicos registraram que as vítimas do sexo masculino tinham ereção durante o enforcamento e, ocasionalmente, ejaculavam. Note que, no entanto, a ejaculação ocorre em suspensão após a morte das vítimas por causa do relaxamento muscular, o que é um mecanismo diferente do que procura-se na asfixia auto-erótica.

Extremamente perigosa de fazer, você pode matar a pessoa em pouco tempo, portanto jamais tentem fazer isso. Estima-se que só nos Estados Unidos entre 500 a mil pessoas morram acidentalmente por ano vítimas desta prática.

Li em uma revista que os japonesês, que adoram esse tipo de prática, pagam uma pequena fortuna para satisfazer seus desejos com prostitutas que se propõem a isso. Mas no caso, elas é ficam com a cabeça enfiada em uma banheira enquanto o cliente faz seu "serviço".


Necrofilia é a atração sexual caracterizada pela excitação decorrente da visão ou do contato com um cadáver.

Já se associou muito necrofilia aos góticos que gostam de passar a noite no cemitério.

No começo dos anos 2000, lembro que teve um caso no Paraná que fizeram uma caça as bruxas em cima deles pelo estupro de alguns cadavers que estavam sendo exumados e estuprados.

Mas depois descobriu-se que foi o coveiro. Se não me engano, isso passou no Programa do Ratinho, então qualquer sensacionalismo barato sobre o caso não pode ser descartado.


Pedofilia é a atração sexual por crianças pré-púbere (geralmente, com 13 anos ou menos). O indivíduo com pedofilia deve ter 16 anos ou mais e ser pelo menos 5 anos mais velho que a criança. Para indivíduos com pedofilia no final da adolescência, não se especifica uma diferença etária precisa, cabendo exercer o julgamento clínico, pois é preciso levar em conta tanto a maturidade sexual da criança quanto a diferença de idade.

Os indivíduos com pedofilia geralmente relatam uma atração por crianças de uma determinada faixa etária. Os indivíduos que sentem atração pelo sexo feminino geralmente preferem crianças de 10 anos, enquanto aqueles atraídos por meninos preferem, habitualmente, crianças um pouco mais velhas. A pedofilia com meninas é relatada com maior freqüência do que com meninos.

Os pedófilos que atuam segundo seus anseios podem limitar sua atividade a despir e observar a criança, exibir-se, masturbar-se na presença dela, ou tocá-la e afagá-la. Outros, entretanto, realizam felação ou cunilíngua ou penetram a vagina, boca ou ânus da criança com seus dedos, objetos estranhos ou pênis, utilizando variados graus de força para tal. Essas atividades são geralmente explicadas com desculpas ou racionalizações de que possuem "valor educativo" para a criança, de que esta obtém "prazer sexual" com os atos praticados, ou de que a criança foi "sexualmente provocante" — temas comuns também na pornografia pedófila.

Alguns indivíduos com pedofilia ameaçam a criança para evitar a revelação de seus atos. Outros, particularmente aqueles que vitimam crianças com freqüência, desenvolvem técnicas complicadas para obterem acesso às crianças, que podem incluir a obtenção da confiança da mãe, casar-se com uma mulher que tenha uma criança atraente, associar-se a outros pedófilos para traficar crianças ou, em casos raros, adotar crianças de países não-industrializados ou raptar crianças.

O transtorno geralmente começa na adolescência, embora alguns indivíduos com pedofilia relatem não terem sentido atração por crianças até a meia-idade. A freqüência do comportamento pedófilo costuma flutuar de acordo com o estresse psicossocial. O curso em geral é crônico, especialmente nos indivíduos atraídos por meninos. A taxa de recidiva para indivíduos com pedofilia envolvendo uma preferência pelo sexo masculino é aproximadamente o dobro daquela para a preferência pelo sexo feminino.

Bem, agora só falta a parte IV para completar a série. Irei fazer um resumo de dezenas de outras parafilias que não foram faladas até agora. Até quarta !

5 comentários:

  1. Will e Julia, que muito provavelmente devem ler/escrever nos comentários deste post.

    estive viajando por 1 semana e hj respondi os comentários dos posts anteriores.

    caso reabram o 'forum' de discussões sobre os outros posts. fica aqui o lembrete!

    Bejundas pros dois e pra quem mais quiser entrar nesta suruba literária.

    ResponderExcluir
  2. hahahahah q bonitinho, fui lembrada! vou passar por lá, Tom, pode deixar!

    Então...
    Essas parafilias dão medo! rs

    Mas a asfixiofilia é até bem comum...e realmente dá um up por causa da oxigenação e da sensção de dominação, mas tem que confiar muito, né?!

    Uma vez eu me liguei que eu prendo a respiração por conta própia...um dia ainda tenho um treco na cama! hauhauahuahua

    Beijão,
    Júlia

    ResponderExcluir
  3. David Carradine (o Bill do Kill Bill) morreu brincando disso sozinho no quarto de hotel. Não tentem isso em casa, crianças.

    ResponderExcluir
  4. é mais forte do que eu, Wlll...hauhauhauha

    ResponderExcluir
  5. No true Blood rola mtu Necrofilia e ninguem reclama =D

    ResponderExcluir