quinta-feira, 6 de maio de 2010

Embriaguem-se

Minha amiga Carol mandou este poema de Baudelaire (Charles Baudelaire, Petits poémes en prose, 1869) por e-mail. A versão original segue logo abaixo da versão traduzida (Trad. Dorothée de Bruchard, 1988 [1996]). Desfrutem.


Embriaguem-se
Há que estar sempre embriagado. Tudo está nisto: é a única questão. Para não sentir o terrível fardo do Tempo que lhes dilacera os ombros e os encurva para a terra, embriagar-se sem cessar é preciso.

Mas de quê? De vinho, poesia ou virtude, a escolha é sua. Mas embriaguem-se.

E se às vezes, nas escadarias de um palácio, na verde relva de um barranco, na solidão morna do seu quarto, vocês acordarem, com a embriaguez já diminuída ou sumida, perguntem ao relógio, ao vento, à vaga, às estrelas, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntem que horas são; e o relógio, o vento, a vaga, a estrela, as aves responderão: "É hora de embriagar-se! Para não serem os escravos martirizados do Tempo, embriaguem-se; sem cessar embriaguem-se! De vinho, poesia ou virtude, a escolha é sua".

Enivrez-vous
Il faut être toujours ivre. Tout est là: c'est l'unique question. Pour ne pas sentir l'horrible fardeau du Temps qui brise vos épaules et vous penche vers la terre, il faut vous enivrer sans trêve. Mais de quoi? De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise. Mais enivrez-vous.

Et si quelquefois, sur les marches d'un palais, sur l'herbe verte d'un fossé, dans la solitude morne de votre chambre, vous vous réveillez, l'ivresse déjà diminuée ou disparue, demandez au vent, à la vague, à l'étoile, à l'oiseau, à l'horloge, à tout ce qui fuit, à tout ce qui gémit, à tout ce qui roule, à tout ce qui chante, à tout ce qui parle, demandez quelle heure il est et le vent, la vague, l'étoile, l'oiseau, l'horloge, vous répondront:

"Il est l'heure de s'enivrer! Pour n'être pas les esclaves martyrisés du Temps, enivrez-vous; enivrez-vous sans cesse! De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise."

13 comentários:

  1. eu AMO esse trecho:

    "Há que estar sempre embriagado. Tudo está nisto: é a única questão. Para não sentir o terrível fardo do Tempo que lhes dilacera os ombros e os encurva para a terra, embriagar-se sem cessar é preciso.

    Mas de quê? De vinho, poesia ou virtude, a escolha é sua. Mas embriaguem-se."

    ResponderExcluir
  2. lembrando que com embriagado baudelaire não quer dizer só e exclusivamente bêbado. vai além...

    ResponderExcluir
  3. Claro, claro. Como fica bem claro no poema, é pra embriagar-se de vinho, DE POESIA OU DE VIRTUDE. Tenho certeza de que outras coisas também são válidas.

    ResponderExcluir
  4. sim, digo no sentido da palavra. inebriar-se seria mais adequado.

    ResponderExcluir
  5. mais adequado??????

    você acha que pode dizer pro Baudelaire o que é mais adequado??????

    ResponderExcluir
  6. Calma, Caio. Pelo q eu entendi, é só pelo risco q apresenta a palavra escolhida na tradução: embriagar-se é sempre muito mais associado ao álcool q a qq outra coisa.

    ResponderExcluir
  7. não vejo risco algum, a não ser que a pessoa leia só a primeira linha do texto ou seja incapaz de compreender uma metáfora.

    a tradução do francês é exatamente literal.. então não é questão de escolha de palavra, a tradução tinha que ser 'embriagar-se'.

    além disso, disse aquilo também porque pra mim é claro que 'embriagar-se' não pode ser substituída por 'inebriar-se' nesse contexto sem perda relevante de significação: logo não pode ser mais adequado.

    ResponderExcluir
  8. Tá, mas aí o Anônimo ñ estaria dizendo ao Baudelaire o q é + adequado, mas ao tradutor. Dizendo errado, segundo você (e eu até concordo), mas ainda assim é ao tradutor.

    E sempre tem a possibilidade d alguém copiar só um trecho do poema e quem ler ñ conseguir compreender o verdadeiro significado. Enfim... Concordo c/ todo mundo.

    ResponderExcluir
  9. enivrer = embriagar

    se a língua nativa do Anônimo fosse o francês, ele faria exatamente o mesmo comentário porque essas palavras são exatamente equivalentes em ambas as línguas. foi isso que eu quis dizer com "dizer pro Baudelaire o que é mais adequado".

    ResponderExcluir
  10. a língua nativa do sr. caio, por acaso, é o francês?

    ResponderExcluir
  11. não, pra afirmar o que eu disse basta consultar um dicionário.

    ResponderExcluir
  12. dicionários fazem justamente traduções ao pé da letra, quando, principalmente em poesias, o mais importante para a tradução é a interpretação de metáforas e consequentemente a substituição da palavra da maneira mais adequada. lembrando que jamais foi afirmado existir um erro na tradução, mas sim uma menção à outra palavra que se adequaria melhor ao sentido da metáfora usada por baudelaire. sugiro, portanto, que procure um tradutor português-francês de gabarito e informe-se a respeito da tradução em questão. e quem sabe, futuramente, aprenda um pouco mais sobre língua francesa. bisous!

    ResponderExcluir