terça-feira, 16 de março de 2010

Pensadores Livres


... ou um enviado de Baco.

13 comentários:

  1. puts, se isso for sério, dá vontade de mandar explodir

    ResponderExcluir
  2. Maria F... (mariafernandars@hotmail.com)16 de março de 2010 19:56

    Oba! Achei vocês. Daqui, do alto do Monte Olimpo... Mas achei.
    Kiss.

    ResponderExcluir
  3. A placa reflete a lógica cristã, então não vejo nada de errado nela. Claro, dentro da perspectiva que a mensagem está.

    ResponderExcluir
  4. Concordo c/ a Kika. Dentro da lógica, a placa tá mais do q certa. Meu problema é com a lógica.

    ResponderExcluir
  5. Acho que o questionável mesmo seria o fato de a moral religiosa estar enraizada nas leis e costumes de todo mundo, sendo, portanto, totalmente impositiva. Os conflitos religiosos, perseguições...
    Mas uma placa numa igreja... entra quem quer e acredita quem quer. Claro que talvez para se chegar a esse patamar de discernimento as pessoas teriam de ter bem mais poder de crítica e ser de fato laico, mas que seja. Acho uma imposição também pensamento de "ah, vamos explodir" numa situaçaõ tão banal como essa...

    ResponderExcluir
  6. Acho q vc escolhe mal suas palavras. Imposição? Só pq vc ñ concorda e talvez ache intolerante o q o Caio disse, ñ tem pq usar essa palavra. Confessar uma vontade é bem diferente d impor algo. Ele ñ exigiu q ng explodisse nada, disse q tinha vontade d fazê-lo. Simples assim.

    ResponderExcluir
  7. exato Will, só deu vontade mesmo. eu não faria isso.

    ResponderExcluir
  8. Escolho mal as palavras? Puxa, eu deveria me sentir mal, já que, pelo seu comentário, Will, eu sempre faço isso, não é? Já pensou na possibilidade de que a mensagem que eu queira passar seja exatamente a que está escrito? Ou talvez eu não saiba me expressar mesmo...

    E sua justificativa não serviu de muita coisa. Totalmente intolerante esse ideia, mesmo que não concretizada de "mandava explodir". Fala-se tanto de liberdade aqui e blá blá blá, daí se vê uma frase dessa que, de uma certa forma, agride a liberdade do outro. Se há quem não queira ser um livre pensador, por que se achar no direito de se voltar contra o pensar (ou talvez não-pensar) alheio? Fico pensando até que ponto querer a liberdade, o livre pensar também não é uma forma de imposição. Há quem queira continuar na ignorância (de fato os ignorantes são mais felizes). Enfim... talvez eu tenha compreendido tudo mal.
    Se o que o outro faz não interfere na minha liberdade (como uma placa patética), não entendo porque haver reação negativa.

    Vou contar uma história que talvez ilustre melhor o que estou dizendo...

    Lembro de uma vez ter estado numa igreja evangélica chamada Apascentar quando ouvi algo que me espantou. Estava um rapaz que ia se tornar pastor em breve chamando as pessoas da igreja para não apoiarem a lei que criminalizaria agressões contra homossexuais, bi e trans. Eu achei um absurdo porque a lei em si não fere o direito de o sujeito continuar acreditando nas palavras da Bíblia sobre esse assunto.

    E claro, Will, me inspirei em você quando postei esse comentário. Acho que ainda tem muito a aprender sobre ser tolerante... eu também, certamente.

    ResponderExcluir
  9. "Fico pensando até que ponto querer a liberdade, o livre pensar também não é uma forma de imposição."
    Até o ponto em q vc QUER o livre pensar e ñ IMPÕE isso.

    "Já pensou na possibilidade de que a mensagem que eu queira passar seja exatamente a que está escrito?"
    Pior q eu pensei, mas aí vc estaria usando imposição pra algo q ñ estava sendo imposto. Preferi ter fé na sua capacidade d raciocínio e crer q foi só uma palavra mal escolhida, um deslise, e não um erro de mudar completamente o significado da palavra.

    E talvez a placa não interfira na nossa liberdade diretamente e por isso eu concordei c/ vc sobre o fato d ela estar de acordo com a lógica. Mas a placa é um sintoma E uma propaganda d uma lógica q está muito presente na nossa sociedade e essa lógica acaba sim afetando nossa liberdade. Por isso eu entendo e partilho o incômodo do Caio.

    ResponderExcluir
  10. "Preferi ter fé na sua capacidade d raciocínio e crer q foi só uma palavra mal escolhida, um deslise, e não um erro de mudar completamente o significado da palavra."

    Beleza, Wiil, você usou de raciocínio e eu não. Talvez eu tenha me dado o trabalho de justificar a palavra que utilizei à toa. E como eu já cansei dos seus discursos que tentam diminuir qualquer pensamento contrário (esse comentário sobre raciocínio e sobre eu escolher mal as palavras - veja bem, ação frequente essa), paro por aqui.

    Ah sim, o problema não é qeurer o livre pensar, mas a forma como foi manifestado que eu contestei.

    ResponderExcluir
  11. Will, concordo com tudo que você falou, e eu não poderia ter argumentado melhor em "minha defesa"

    Kika, o Will não te ofendeu, apenas disse que você se expressou mal (todos nós nos expressamos de forma não clara com frequência), e deu razões bem plausíveis para ter falado isso.

    Ah, Kika, o que o Will falou sobre as pessoas não pensarem influenciar a minha (e a sua) liberdade é totalmente verdade. um dos maiores obstáculos para a evolução das sociedades, em todos os aspectos, é a ignorância da massa. e a maior parte da massa é ignorante não por culpa própria, mas por não terem acesso à uma boa educação e por serem manipulados por todos os lados (mídia, religião, etc.), inclusive por essa igreja batista aí que, desestimulando o pensamento livre, contribue para a nossa estagnação.

    ResponderExcluir
  12. o meu comentário foi apenas uma revolta com uma tentativa de manipulação, a qual não influencia somente em quem tiver o cérebro lavado, mas também na sociedade como um todo. não acho legal isso, mas também não discrimino pessoas que escolhem não pensar: o meu problema é com a instituição que quer manipular, e não com as pessoas. concordo que os ignorantes são mais felizes e se eu me contentasse com esse estado, eu assim nele permaneceria.

    ResponderExcluir