quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

De Olhos Bem Abertos

o derradeiro filme de Kubrick, De Olhos Bem Fechados, o gênio de Laranja Mecânica e 2001: Uma Odisséia no Espaço, não perde em nada para os últimos, que considero dois dos maiores filmes de todos os tempos.

simplificando-o de forma insultante, o filme trata de como as fantasias sexuais, quando reveladas, afetam o relacionamento de um casal.

todo mundo só fala da cena em que Bill Hartford (Tom Cruise), desnorteado após saber que sua mulher Alice (Nicole Kidman) teve uma fantasia sexual com outro homem, vai parar numa típica festa Dionisíaca: centenas de pessoas numa mansão, todos mascarados e fazendo sexo uns com os outros.







a mansão é um banquete, onde a magnífica refeição consiste de todas as fantasias sexuais que a sua mente conseguir conceber!

o anonimato, garantido pelo uso das máscaras, impede que a sua imaginação seja reprimida.



nesse sentido, o casarão representa o estado mental pelo qual Bill passava.. em choque pelo que lhe contou a mulher, ele liberou-se do pensamento monogâmico que lhe foi imposto pela instituição casamento.

no fim, o casal entende que de nada adianta lutar contra os fantasmas que assolam sua realidade monogâmica, e escolhem permanecer de olhos bem fechados até que a sua sobriedade seja novamente entorpecida por sonhos Dionisíacos.



"Bill: Você está certa disso?
Alice: Se estou certa? Apenas tão certa quanto estou que a realidade de um noite, deixada de lado aquela de uma vida inteira, pode algum dia ser a verdade toda.
Bill: E nenhum sonho é jamais somente um sonho."

e por que a maioria dos casais opta por permanecer de olhos bem fechados, quando uma das melhores coisas de um relacionamento é justamente compartilhar as mais íntimas confidências? por que a maioria dos casais não divide as suas perversões sexuais? por que um desejo sexual do parceiro pode ser visto como ofensivo para o outro? eu tenho a pretensão de ser absoluto para alguém no amor, mas não no sexo.

se a moral, a verdade,
são intrínsecas ao ponto de vista
e mesmo o tempo, a matéria
são relativos
por que dissimular-me-ia eu
em ser absoluto para você?

8 comentários:

  1. Acompanho seu blog há pouco tempo, Caio. Mas tô gostando bastante de seus textos, falando de prazeres e fetiches sem não-me-toques. Estou escrevendo pra perguntar se você já ouviu falar de Salò (ou os 120 dias de Sodoma), de Pasolini. Super recomendado. De olhos bem fechados é light perto desse: Salò aborda a condição humana, sob o ponto de vista fascista de uma meia dúzia de sadistas. Aterrador na primeira assistida; fiquei com o filme na cabeça por semanas. Enfim, só vendo pra você entender do que falo. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. fico feliz que esteja gostando do nosso blog!

    já ouvi falar sim; eu inclusive li o livro (escrito pelo Marquês de Sade) e vi 2 peças

    no post A Filosofia da Libertinagem eu falei sobre outro livro do Sade e comentei sobre o 120 dias:
    http://sociedadedionisiaca.blogspot.com/2010/02/filosofia-da-libertinagem.html

    na minha apresentação, coloquei até um trecho do livro:
    http://sociedadedionisiaca.blogspot.com/2010/01/apresentacao.html

    mas o filme eu nunca tive oportunidade de ver, porque nunca achei em nenhuma locadora (ok, eu poderia ter baixado da internet, mas ver em DVD é bem mais charmoso).. você conhece alguma locadora onde eu poderia pegar esse filme? queria muito vê-lo

    imagino que o filme não deva ser nem de longe tão aterrador quanto o livro.. sério, é bizarro.. vale a pena ler, era o manuscrito preferido de Sade (o livro é, literalmente, um rascunho: ficou perdido durante muitos anos, mas Sade o encontrou no fim da vida, mas não chegou a concluí-lo, o que o faz especialmente interessante por conta disso).

    valeu

    abraço

    ResponderExcluir
  3. você me deu até uma ideia agora

    vou considerar a possibilidade de publicar semanalmente alguns trechos do 120 dias, relatando algumas das libertinagens retratadas no livro

    ResponderExcluir
  4. Eu assisti ao filme que baixei do nosso parceiro Cynicozilla. É interessante, mas acho que não se comparou à peça. Talvez porque a adaptação de Os Satyros tenha se aproximado mais da nossa realidade, talvez por que fosse menos parada que o filme. Ñ sei ao certo.

    Se não quer baixar, aposto que consegue o filme na Paradise ou nas locadoras do grupo Estação.

    ResponderExcluir
  5. Encontre o blog de vcs pelo Perfil de Sapa.
    Há uns meses qdo estava mais no mundo virtual eu acompanhava ela pelo blog pessoal, mas tô voltando aos poucos.
    Adorei o estilo deste blog! Altamente dionísico!

    Em relação ao filme, gostaria de ver novamente, pois vi na minha adolescência e n achei muita graça, acredito q hj veria de outra forma!

    =)

    ResponderExcluir
  6. a primeira vez que eu vi eu não gostei muito também..

    já aconteceu comigo com outros filmes, tipo Closer

    ResponderExcluir
  7. Esse filme é perfeito. Para o Tom foi tão complicado largar o pudor.E o jogo de mentiras,verdades,traições,pensamentos secretos é muito louco,post hiper legal,parabéns.

    ResponderExcluir
  8. valeu Sapa!!

    é, o filme é bem complexo.. dei uma pesquisada, e os mínimos detalhes se interligam.. só que é muito difícil perceber a maioria das coisas.. o Kubrick é um crânio.. quando ele morreu tava fazendo um filme sobre o Napoleão.. é uma pena que não tenha concluído

    ResponderExcluir