terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Apresentação

olá! meu nome é Caio, tenho 22 anos, e sou o novo colaborador da Sociedade Dionisíaca.

para quem quiser entrar em contato comigo:

email: gimanske@gmail.com

orkut: perfil

msn: caio.souza@gmail.com (não entro nunca, mas pessoas interessantes me fazem abrir exceções)



definir-se é limitar-se, e por isso lanço mão do mais abrangente recurso do nosso ferramental linguístico para introduzir-me.

eu não sou eu nem sou o outro
sou qualquer coisa de entrementes
pilar da ponte de aguardente
que vai de mim para o outro

se você me perguntasse "Who are you" eu provavelmente te responderia "Whoever you want me to be", como uma vez vi num seriado de tv.

isso é provavelmente apenas um sintoma de uma alucinada busca pelas liberdades do corpo, da mente e da alma que podem ser simbolizadas, segundo o nosso profeta Will, respectivamente por sexo, álcool e arte. ao meu ver, no entanto, a filosofia deve juntar-se à arte na constituição da metáfora do mais nobre de nossos objetivos. em todo caso, tal questão central de nossa existência incorpora-se em mim segundo contornos dramáticos, os quais podem ser delineados pelo seguinte sentimento

tudo o que eu mais amo e mais odeio em mim é ser dotado de razão

para esclarecer essa ideia, devo dizer o que entendo por inteligência. na minha opinião, a inteligência de alguém é proporcional à sua capacidade de compreender-se como indivíduo, isto é, à competência de, isolando os fatores culturais e ambientais, captar o que é a essência de (e o que é essencial para) seu corpo, sua mente e sua alma. assim penso pois tal percepção é o pré-requisito para progredir em direção ao estado áureo (que é como chamo a plena satisfação da referida trindade). o paradoxo reside em que, se por um lado a reflexão é o instrumento básico para a construção da consciência que permite a evolução no sentido mencionado, por outro o pensamento acarreta a estruturação do superego, que é o principal responsável pelas censuras que nos impedem de pensar livremente. ou seja, a razão é ao mesmo tempo o caminho e a pedra, e ao tentar simultaneamente agarrar-me a ela e desprender-me dela, me reconheço num impasse, como no poema do Drummond:

"No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra."

ainda que não consiga me decidir se sou inteligente ou não de acordo com tal definição, estou convencido que sou incrivelmente esforçado e que água mole em pedra dura tanto bate até que fura.

sou uma pessoa quase que desprovida de preconceitos e que busca incessantemente novas experiências, por acreditar que pessoas ou situações diferentes sempre poderão me acrescentar alguma coisa, seja uma ideia, uma sensação, um conhecimento, um sentimento... falarei mais sobre isso no próximo post.

gostaria, por fim, de mencionar alguns dos meus pensamentos sobre as três entidades Dionisíacas, o que dará uma ideia de sobre o que irei dissertar nesse blog.

Sexo

acredito que, para atingir o verdadeiro regozijo, o sexo deve ser feito tão intensamente com a mente quanto com o corpo. uma vez que reconheço o BDSM como a melhor maneira de extravasar as pulsões do corpo e da alma simultaneamente, sou um adepto convicto de suas práticas, ainda que iniciante. penso que a rotina sexual é o anti-tesão e que, portanto, deve-se experimentar constantemente novas práticas sexuais em uma relação; com essa atitude, não acredito no senso comum que o tesão é uma variável que diminui com o tempo. por fim, deixo um trecho do maior manual de perversão já escrito, de autoria de um filósofo considerado pelos surrealistas como "o espírito mais livre que já viveu", para aguçar a curiosidade dos leitores:

"Agora, amigo leitor, prepara teu coração e teu espírito para o relato mais impuro já feito desde que o mundo existe, pois não há livro semelhante nem entre os antigos nem entre os modernos. (...) Sem dúvida, muito dos desregramentos que encontrarás aqui retratados desagrar-te-ão; alguns entretanto aquecer-te-ão a ponto de te custarem porra, e isto nos basta. Se não tivéssemos dito e analisado tudo, como poderíamos adivinhar aqueles que te convêm? Cabe a ti tomar a tua parte e deixar o resto; um outro fará o mesmo; e, aos poucos, tudo encontrará seu devido lugar. Esta é a história de uma magnífica refeição em que seiscentos pratos diversos serão oferecidos a teu apetite. Apreciará todos? Não, sem dúvida! Mas esse número prodigioso ampliará os limites de tua escolha, e, encantado por esse aumento de faculdade, não te atrevas a repreender o anfitrião que te presenteia. Faze o mesmo aqui: escolhe e deixa o resto, sem vituperar contra esse resto sob pretexto que não tem o talento de te agradar. Lembra-te que agradará a outros, e sejas filósofo. Acerca da diversidade, estejas assegurado de que ela é precisa; estude bem as paixões que te parecem assemelhar-se umas às outras sem a menor diferença, e verás que essa diferença existe e, por mais leve que seja, ela apenas tem esse refinamento, essa delicadeza que distingue e caracteriza o gênero de libertinagem aqui tratado." (de 120 Dias de Sodoma, Marquês de Sade)

Álcool

beber é o melhor método químico que eu conheço para desprender-se da razão... não conheço muitos, aliás, falha minha (a qual pretendo retificar em breve). é ferramenta para conscientizar-se do Eu e combustível para o deleite carnal, uma vez que é sonífero para os vigilantes do nosso superego. menciono aqui uma passagem sobre a importância de fugir-se do estado de sobriedade:

"É preciso estar-se, sempre, bêbado. Tudo está lá, eis a única questão. Para não sentir o fardo do tempo que parte vossos ombros e verga-vos para a terra, é preciso embebedar-vos sem tréguas.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, a escolha é vossa. Mas embebedai-vos." (de As Flores do Mal, Charles Baudelaire)

Arte e Filosofia

o oposto do amor não é o ódio, é a indiferença.
o oposto da arte não é a aberração, é a indiferença.
o oposto da filosofia não é a resignação, é a indiferença.
e o oposto da vida não é a morte, é a indiferença.

donde se conclui que amor, arte, filosofia e vida compartilham algo de essencial. ou, como disse Oscar Wilde:

"A arte e a filosofia são as formas mais intensas de individualismo que o mundo conhece."

8 comentários:

  1. OMG!!!WTF??? o caio!!!

    Lmao lol rolf

    legal ter pessoas conhecidas entrando na vida loka de dorgas dos blogs!

    PS: com o tempo vc vai entender essas linguagens "4chan" que eu escrevi hehe

    ResponderExcluir
  2. eu não entendi 3/4 do que você disse!

    ResponderExcluir
  3. garoto jovem... um juvenil criado a leite com pera e ovomaltino na geladeira não iria entender mesmo hehee

    ResponderExcluir
  4. Opaa . Caio vc é interessante ...

    ResponderExcluir
  5. É a menina q vc subornou pra comentar na sua apresentação.


    hohihioohihio Zoa. Isso aqui vai virar um Fica Comigo Dionisíaco...

    ResponderExcluir