segunda-feira, 6 de abril de 2009

Fazendo arte?

Dia desses, eu tava conversando com uma amiga sobre as fotos do Le Chagrin e entramos na discussão do que seria arte. Só não saímos na porrada porque o debate foi por MSN. Mas a pergunta continua sem resposta. O que pode ser definido como arte?

A questão parece fácil a princípio. A Monalisa é arte. É única. Meu computador não. É industrializado. Mas o que acontece quando um cara resolve botar um mictório numa exposição e chamar de A Fonte? Marcel Duchamp revolucionou o mundo da arte com os chamados ready mades. A meu ver, ele questionava a definição de arte e os críticos de arte. Pra mim, isso é arte.

Ele lançou moda. Todo mundo começou a fazer coisas no mesmo estilo. Cada uma com alguma particularidade, mas sempre na onda do que o Duchamp fez e deu certo. Aí eu acho que deixa de ser arte.

Mas por que a Monalisa é arte e um desenho que eu faço não é? Alguém pode dizer que meu desenho é mal feito, mas e a arte grega feita em vasos? Meus desenhos são mais bonitos que aquilo. Por Zeus, como dizer se uma obra é artística ou não sem ter apenas a opinião pessoal em conta? Os críticos? Pra mim eles só ganham pra dar a opinião pessoal deles. Uma enquete? Daria trabalho demais...

Pra mim a arte se divide em duas categorias muito simples. Na mitologia grega, sei de dois deuses intimamente ligados à arte e diametralmente opostos na forma de encará-la.
  • Apolo - o belo: A arte dele, assim como o próprio, é esteticamente perfeita. Suas músicas são harmônicas, seus poemas simétricos, suas pinturas inspiradoras. Até algo que trate de coisas desagradáveis pode deixar uma sensação boa quando se adota uma postura apolínea. É uma arte que se resolve em si mesma.
  • Dionísio - o selvagem: Como já disse várias vezes aqui, Dionísio é um deus que leva o caos aonde ele vai. A ordem não combina com ele. Transforma, questiona, liberta. Suas obras são subversivas. É uma arte que remete a algo fora dela.

Claro que muitas obras podem ter ambos os deuses como inspiradores, mas acho que um dos dois lados deve existir pra que algo seja considerado arte. Aí, quem quer considerar uma linha de computadores uma obra de arte por ter um design ma-ra-vi-lho-so, tudo bem por mim. Mas, qualquer obra que seja mais apolínea que dionisíaca tem tanto valor (artístico) quanto uma linha de computadores.

Mas essa é só a minha opinião. A moral da história é que a história não tem moral. A discussão ainda dá muito pano pra manga e acho que tudo que qualquer um considerar uma obra de arte merece ser abordado aqui.

2 comentários:

  1. vao se cata vai escreve alguma coisa mais importante

    ResponderExcluir
  2. eu sou um deus escrevam sobre mim lindas

    ResponderExcluir